Narrativas de la inclusión de un niño autista: desafíos para la práctica docente

  • Mariana Helena Silva Da Luz Universidade Católica de Brasília
  • Candido Alberto Gomes Universidade Católica de Brasília
  • Adriana Lira Universidade Católica de Brasília
Palabras clave: aprendizaje, educación infantil, educación inclusiva, autismo, práctica docente

Resumen

El autismo es un tema ampliamente explorado en la literatura. Sin embargo, la
inclusión escolar de los niños autistas sigue constituyendo un desafío. Basándose
en esta suposición, el objetivo general de esta investigación fue indentificar los
desafíos de la práctica docente en el seguimiento de un niño autista y en qué
condiciones se produce su inclusión. El carácter cualitativo, descriptivo y
exploratorio, está caracterizado como un estudio de caso que se realizó en los
meses de agosto a octubre de 2014 en una institución privada de Brasília. En
resumen, el estudio, através de entrevistas semi-estructuradas y observaciones in
situ llegó a la conclusión de que la propuesta de inclusión de la escuela, en la que
apuestan los padres, está debilitada por la falta de preparación profesional, hecho
derivado de la precariedad de la formación inicial y continua de los mismos.

Citas

Ainscow, Mel (2009). Tornar a educação inclusiva: como essa tarefa deve ser conceituada? In Osmar Fávero, Windyz Ferreira, Timothy Ireland e Débora Barreiros (orgs.), Tornar a educação inclusiva (pp. 11-24). Brasília: Unesco. Recuperado em 17 de outubro de 2014 de http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184683por.pdf

Baptista, Cláudio Roberto (2003). Sobre as diferenças e desvantagens: fala-se de qual educação especial? In C. Maraschin, L. B. L Freitas e D. C. Carvalho (orgs.), Psicologia da educação: multiversos sentidos, olhares e experiências (pp. 45-55). Porto Alegre: UFRGS.

Boettger, Andréa Rizzo dos Santos, Lourenço, Ana Carla & Capellini, Vera Lucia Messias Fialho (2013). O professor da educação especial e o processo de ensino-aprendizagem dos alunos com autismo. Revista Educação Especial, Santa Maria, 26(46), 385-400, maio/ago. Recuperado em 23 de outubro de 2014 de http://www.ufsm.br/revistaeducacaoespecial

Braga, I. S. (2009). «Teorizando as práticas de atendimento à pessoa com autismo na rede de escolas públicas do Distrito Federal». Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2009. Recuperado em 24 out. 2014 de http://www.bdtd.ucb.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1061

Brandão, Lúcia de Carvalho (2009). «Interação social em diferentes contextos escolares: estudo de caso de uma criança com autismo». Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Católica de Brasília. Recuperado em 25 out. 2014 de http://www.bdtd.ucb.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1161

Brasil (1996). Lei 9394, de 23 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC.

Brasil (1999). Parâmetros curriculares nacionais. Adaptações curriculares. Estratégias para educação de alunos como necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC.

Brasil (2012). Constituição da República Federativa do Brasil. 35ª. ed. Brasília: Câmara dos Deputados.

Brasil (2013). Lei 12.796 de agosto de 2013. Brasília: MEC. Recuperado em 12 de novembro de 2014 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm

Duar, Aline Altoé (2002). Características, desenvolvimento e repertório comportamental na utilização do computador por duas crianças portadoras de transtorno autista. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Católica de Brasília.

Duarte, Rosália (2004). Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em Revista, 24, 213-225. Curitiba. Recuperado em 03 de setembro de 2014 de http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/entrevistas_em_pesquisa_qua-litativas.pdf. https://doi.org/10.1590/0104-4060.357

Figueira, Emílio (2011). O que é educação inclusiva. São Paulo: Editora Brasiliense.

Figueiredo, F., Micarello, H. & Barbosa, S. N. (2005). Autonomia de professores da Educação Infantil: «a coisa vira, e o professor se vira». Kramer, S. Profissionais da educação infantil: gestão e formação (pp. 156-170). São Paulo: Ática.

Figueiredo, Rita Vieira (2000). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A.

Freire, Paulo (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Gonçalves, Mariana (2010). Compreendendo o autismo a partir de diferentes olhares. Monografia de Conclusão do Curso de Pedagogia. São Paulo: Faculdade Cenecista de Capivari – FACECAP.

Hernández Sampieri, Roberto, Fernández Collado, Carlos Fernandez & Baptista Pilar, Lucio (2006). Metodologia da pesquisa.3. ed. São Paulo: McGraw-Hill.

Mello, Ana Maria S. Ros de (2007). Autismo: guia prático. 7ª ed. São Paulo/Brasilia: AMA/Corde. Recuperado em 22 de outubro de 2014 de http://www.autismo.org.br/site/images/Downloads/7guia%20pratico.pdf

Menezes, Ebenezer Takuno de & Santos, Thais Helena dos (2001). Verbete Declaração de Salamanca. Dicionário Interativo da Educação Brasileira -Educabrasil. São Paulo: Midiamix. Recuperado em 28 de dezembro de 2015 de http://www.educabrasil.com.br/declaracao-de-salamanca/

Minayo, Maria Cecília de Souza (1994). Pesquisa social: teoria, método criatividade. Rio de Janeiro: Vozes.

Monte, Francisca Furtado do & Santos, Idê Borges dos (coords.) (2004). Saberes e práticas da inclusão, dificuldades acentuadas de aprendizagem: autismo. Brasília: MEC, SEESP.

Patton, Michael Quinn (1987). How to use qualitative methods in evaluation. Califórnia: Sage.

Piaget, Jean (1978). A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho. Rio de Janeiro: Zanar.

Rocha, E. A. C. (1999). «A pesquisaem educação infantilno Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia da Educação Infantil». Tese (Doutorado em Educação) − Universidade Estadual de Campinas.

Rúdio, Franz Víctor (1999). Introdução ao projeto de pesquisa científica. 24ª. ed. Petrópolis: Vozes.

Sampaio, Cristiane T. & Sampaio, Sônia Maria R. (2009). Educação inclusiva: o professor mediando para a vida. Salvador: EDUFBA. Recuperado em novembro de 2014 de http://static.scielo.org/scielobooks/3hs/pdf/sam-paio-9788523209155.pdf, https://doi.org/10.7476/9788523209155

Scárdua, Valéria Mota (2008). Revista FACEVV, 1, 85-90. Espírito Santo. Recuperado em 20 de setembro de 2014 de http://www.facevv.edu.br/Revista/01/A%20INCLUS%C3%83O%20E%20O%20ENSINO%20REGULAR.pdf

Schawartzman, José Salomão (1994). Autismo infantil. Brasília: Corde.

Tomé, Maycon Cleber (2007). Educação física como auxiliar no desenvolvimento cognitivo e corporal de autistas. Movimento & Percepção, 8(11), 231-248, jul./dez. São Paulo. Recuperado em 23 de outubro de 2014 de http://ferramentas.unipinhal.edu.br/ojs/movimentoepercepcao/viewarticle.php?id=158

Unesco (1997). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Corde.

Vygotsky, Lev Semenovitch (1987). A formação social da mente. São Paulo: Fontes.

Yin, R. (2005) Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Cómo citar
Luz, M. H., Gomes, C. A., & Lira, A. (2017). Narrativas de la inclusión de un niño autista: desafíos para la práctica docente. Educación, 26(50), 123-142. https://doi.org/10.18800/educacion.201701.007